Proyecto Minero Portuario Dominga: ¿Futura Zona de Sacrificio?

Existem inúmeros conflitos socioambientais em nosso país, o Chile, cuja legislação e aplicação de normas ambientais apresentam evidentes deficiências. Nesta ocasião estamos localizados na Reserva Nacional Pinguim de Humboldt, localizada entre as regiões de Atacama e Coquimbo, lar de dezenas de espécies nativas de flora, fauna e fungos do país, além de ser um dos três “lugares de esperança” localizados no Chile. , que, por sua grande relevância na preservação dos ecossistemas marinhos, devem ser lugares de enorme proteção tanto da civilização humana quanto do que circunda o Antropoceno (poluição, poluição sonora, extrativismo, etc…), porém, hoje em dia este local encontra-se seriamente ameaçado pelo novo megaprojeto “minera dominga”, um centro de extracção mineira que funciona há 22 anos, ameaçando tanto as suas actividades como os seus resíduos em todo o ecossistema marinho da área, o que é a relevância de áreas como como a Reserva Nacional Pinguim de Humboldt, que consequências teria a instalação de um projeto de mineração dessas magnitudes em uma área com um ecossistema altamente sensível?

Introdução

A Reserva Nacional Pinguim de Humboldt (RNPH), criada em janeiro de 1990, está localizada entre a região do Atacama e a região de Coquimbo, no norte do Chile, e abriga o Arquipélago de Humboldt.

A RNPH é composta por oito ilhas e tem uma área de aproximadamente 890 hectares. As principais ilhas são: Isla Damas, Isla Chañaral, Isla Choros e Isla Gaviotas.Nesta área ocorre um evento natural chamado ressurgência, que consiste em massas de água que sobem das profundezas do mar até a superfície. Essa subida de águas profundas ricas em nutrientes favorece a biodiversidade e a produção de alimentos para espécies locais e migratórias.

Em termos de biodiversidade, o arquipélago de Humboldt e as oito ilhas que o compõem abrigam a maior população mundial de pinguins de Humboldt, uma população de golfinhos-nariz-de-garrafa, várias espécies de baleias que se alimentam, descansam e se reproduzem na área. Além disso, encontramos florestas de algas, lontras marinhas (chungungo), leões marinhos, orcas, golfinhos e aves como andorinhas e o pato yunco.

Este ecossistema marinho de extrema importância será afetado pela instalação de um megaprojeto de mineração-porto, Minera Dominga. O projeto, conforme definido em seu site, estará localizado a 16 km a nordeste de La Higuera, onde haverá uma usina de dessalinização, duas cavas, um depósito estéril e um depósito de rejeitos espessados.

A importância dos Hope Spots

O termo Hope Spot ou Place of Hope, é definido pela sua autora Dra. Sylvia Earle, exploradora e bióloga marinha, como “lugares especiais que são cientificamente reconhecidos como críticos para a saúde dos oceanos”. De acordo com o site da Mission Blue, uma organização fundada por Sylvia, esses lugares dão esperança pelos seguintes motivos:

  • Habitat de espécies raras, ameaçadas ou endêmicas.
  • Eles possuem uma abundância ou diversidade de espécies, habitats ou ecossistemas incomuns ou representativos.
  • O impacto antropogênico ainda é reversível.
  • São desenvolvidos importantes processos naturais como: rotas migratórias ou áreas de desova.
  • Eles têm valor histórico, cultural ou espiritual.
  • Eles são de importância econômica para a comunidade na área. (Esperança, s.f.)
  • Existem atualmente cerca de 85 Hope Spots no mundo e o Arquipélago Humboldt é um dos três existentes no Chile, reconhecido como Hope Spot em abril de 2018. É essencial proteger esses lugares, pois abrigam ecossistemas únicos e contribuem para conservação dos oceanos.

Espécies do RNPH

As regiões de Coquimbo e Atacama têm um mar privilegiado em termos de disponibilidade de empregos e alimentos para consumo humano. Nestas duas regiões encontramos lobisomens, piures, mexilhões, lapas, pescada, carapau, linguado entre outros peixes e mariscos. A nível nacional, o Arquipélago Humboldt é um dos lugares com maior biodiversidade a nível nacional (Ministério do Ambiente, 2014), com 59 espécies de plantas vasculares, entre as quais se destacam as añañucas amarelas, lírios e outras. Existem também 68 espécies de vertebrados terrestres, entre os mamíferos está o chungungo, lobo de um pêlo, lobo de dois pêlos. As aves são as mais abundantes e entre elas estão o pinguim de Humboldt, o pato Yunco, o pato lile, o guanai, o elefante marinho, todas espécies protegidas e em categorias de conservação. Os mamíferos marinhos são representados pelos golfinhos nariz-de-garrafa e pela presença esporádica de baleias e cachalotes (C.N.F., 2008).

Estima-se que cerca de 80% da população mundial de pinguins de Humboldt nidifiquem na reserva, entre outras espécies de aves (Ministério do Meio Ambiente, 2014; C.N.F, 2008).

Segundo o último Plano de Manejo realizado pela CONAF: “Na Reserva, as espécies endêmicas correspondem a 13,2% do total, sendo 88,9% répteis (8 espécies) e 11% aves. Todas as espécies de répteis presentes nas ilhas são endêmicas do Chile, especialmente da Zona Norte, para a qual sua conservação é fundamental, pois estando reprodutivamente isoladas do continente, a evolução poderia levá-los a uma maior diferenciação em relação a ele. , sendo capazes de formar novas subespécies ou espécies típicas das ilhas. Apenas 2,9% das espécies da Reserva são introduzidas (2 espécies de mamíferos) sendo todo o resto autóctone, não endémico (83,8%).” (CNF, 2008).

O movimento da água na ressurgência ocorre do fundo em direção ao mar. Este fluxo favorece a ascensão de nutrientes que fertilizam as áreas costeiras e oceânicas e permitem o crescimento de organismos maiores, que são o sustento da pesca (Chile es Mar).

No mar em frente à comuna de La Higuera, ocorre um fenômeno oceanográfico chamado ressurgência, em que massas de águas frias e ricas em nutrientes se elevam das profundezas do oceano à superfície, favorecendo a produção de alimentos para espécies que habitam temporariamente ou permanentemente a área.

A base dos ecossistemas aquáticos é o fitoplâncton, microrganismos responsáveis ​​pela fotossíntese, portanto, são produtores de oxigênio e matéria orgânica. Produzem cerca de 50% do oxigênio presente na atmosfera, além de serem a principal fonte de alimento para espécies marinhas (Cavicchioli et.al., 2019). Na reserva, encontramos variedades de plâncton, krill, além de florestas de algas huiro, que fornecem abrigo e alimento a outras espécies, como peixes e crustáceos.

Na RNPH existem várias espécies como: Pinguins de Humboldt, Pato Yunco, Piquero, várias espécies de andorinhas-do-mar, lontras marinhas, leões marinhos. Além disso, encontramos baleias-azuis e baleias-comuns que vêm se alimentar nesta área no período de verão (de novembro a março), onde podem ser vistas com mais frequência. É importante notar que de acordo com a IUCB (2020) e o Ministério do Meio Ambiente (2014), tanto a baleia-comum quanto a baleia-azul são espécies que estão em perigo.

Graças à Corrente de Humboldt, esta área é caracterizada por ter uma grande concentração de Krill, crustáceos e plâncton, razão pela qual outras espécies de cetáceos também vêm se alimentar.

Por outro lado, existem espécies de aves muito interessantes, como o Yunco. Esta ave passa a maior parte da sua vida no mar, é capaz de mergulhar até 80 metros para procurar pequenos peixes como a sardinha e a anchova, e só chega perto do continente para nidificar na Ilha dos Choros. O status de conservação do Yunco passou de vulnerável a ameaçado de extinção de acordo com a IUCN (BirdLife International, 2020).

De acordo com o site oficial da National Geographic, a baleia azul é o maior animal conhecido que já povoou a Terra. Esta baleia pode atingir 30 metros de comprimento e pesar até 180 toneladas. Em alguns casos, sua língua pode pesar tanto quanto um elefante e seu coração tanto quanto um carro.

A baleia azul atinge essas dimensões desordenadas com uma dieta composta quase exclusivamente por um minúsculo animal parecido com um camarão, o krill. Uma baleia azul adulta consome cerca de 3,5 toneladas de krill por dia (National Geographic, s.f) Existem também peixes-rocha, como o pejeperro, já extinto em Arica e Parinacota, ou o peixe-lua zombeteiro.

Projeto Dominga Mineração-Porto, o que é e o que pretende fazer?

A Minera Dominga é um projeto que visa extrair e exportar ferro e cobre da área próxima a Punta de Choros, 16 km a nordeste da comuna de La Higuera. Terá duas cavas a céu aberto, uma cava sul e uma cava norte, uma usina de dessalinização, um depósito estéril e um depósito de rejeitos espessados.

Na área existem cerca de 2 bilhões de toneladas de minerais no subsolo, incluindo ferro e cobre. A usina será conectada a um terminal marítimo na costa, por meio de 3 dutos subterrâneos de 26 km que transportarão água e ferro. O terminal ficará localizado no norte de Totoralillo, onde o ferro será coletado, filtrado e enviado aos navios.

O projeto prevê operar por cerca de 27 anos e também busca gerar empregos na área, além de 5 litros de água por segundo para a comunidade de La Higuera (atualmente com escassez de água), dessalinização da água do mar e obtenção de dois produtos, água potável água e salmoura (água do mar com altas concentrações de sal), que seriam devolvidas ao Oceano Pacífico. Estima-se que a quantidade de salmoura extraída diariamente seria equivalente a cerca de sete campos do Estádio Nacional.

Pontos a favor e pontos contra

A favor:

O projeto proporcionaria empregos para a população de La Higuera durante o processo de construção da usina e posteriormente durante a extração dos minerais. Isso pode significar uma diferença positiva economicamente para as pessoas que vivem nesta região e gerar o desenvolvimento desta área. No entanto, isso duraria a duração do projeto, ou seja, aproximadamente 27 anos.

A água dessalinizada seria entregue na comuna de La Higuera, onde atualmente há escassez deste bem primário.

Em contra:

A alteração do ambiente marinho afetaria as comunidades que extraem recursos do mar. Por exemplo, a comunidade de Los Choros, que há anos pesca de forma sustentável, veria afetada a qualidade e a quantidade de peixes e mariscos que extraem.

O turismo local para observação de baleias, golfinhos, pinguins e fauna marinha em geral, também seria reduzido. A intervenção acústica, marinha e visual que seria gerada neste Hope Spot impactaria o avistamento das espécies e sua sobrevivência.

Probabilidade de perder as áreas de alimentação de espécies marinhas, como a Baleia Azul ou a Baleia Comum, que estão em perigo de extinção.

As duas minas afetam o habitat dos animais terrestres, o que pode alterar o comportamento natural dos animais, incluindo a raposa culpeo.

Riscos de derramamento ou filtração de substâncias ou minerais produzindo contaminação ou encalhe, que podem afetar diretamente a espécie.

O arquipélago de Humboldt é insubstituível, ou seja, sob os conceitos legais para a instalação de um projeto, esse ecossistema não é transferível para outro local, suas características são irreprodutíveis. (Lei 19.300).

Impacto na fauna local

Em abril de 2016, foi concluído o estudo de viabilidade da Minera Dominga e atualmente está em processo de obtenção de licenças ambientais para operar. No entanto, seu estudo de impacto ambiental contém informações preocupantes que são indicadas a seguir.

É referido no estudo, colisões de cetáceos com barcos e inúmeros casos de avistamentos de cetáceos e espécies marinhas que vêem o seu comportamento natural dificultado pela passagem frequente de barcos e pelo ruído que geram no ambiente. As colisões entre navios e cetáceos ocorrem principalmente com navios grandes e de alta velocidade. As colisões geralmente ocorrem em áreas costeiras com alta concentração de cetáceos, por exemplo, onde se alimentam ou se reproduzem (Laist, 2001).

Os chungungos ou lontras marinhas dependem do ecossistema rochoso, seu acasalamento ocorre entre dezembro e janeiro e sua dieta consiste principalmente de invertebrados, incluindo crustáceos (camarões e caranguejos) e moluscos, além de vertebrados (peixes) e ocasionalmente aves e pequenos mamíferos ( Ministério do Meio Ambiente). (c) Maexico, Amendoeira Polinizadora de Abelhas

Por outro lado, o pinguim de Humboldt encontra-se em estado de conservação vulnerável, ou seja, enfrenta alto risco de extinção. 80% da população de pinguins de Humboldt nidifica nesta área, o que significa que a preservação de seu habitat é fundamental para sua conservação.

cauda mutilada (foto superior) e cortes nas costas (inferior) presumivelmente por uma hélice de barco. Fotos: Brittaney Bearson e Fernando Félix/ arquivo FEMM. (Félix, 2007)

De acordo com o Estudo de Impacto Ambiental realizado pela mineradora, haveria alterações no processo de nidificação do pinguim de Humboldt (Spheniscus humboldti), devido à operação marítima, para a qual planejam tomar medidas para transferir seus ninhos para o norte de Totoralillo . A destruição de habitats como resultado do desenvolvimento costeiro também afeta a sua população, uma vez que as áreas de reprodução são reduzidas e, além disso, a presença de seres humanos nos locais onde nidifica aumenta a sua frequência cardíaca, levando-os a abandonar os ninhos e assim a sua ovos ou pintinhos (De la Puente et al. 2013).

No caso das espécies de aves voadoras, há riscos de colisão e eletrocussão com linhas de energia, além de aumento do nível de pressão sonora devido ao uso de máquinas e equipamentos em Totoralillo (terminal de embarque). Neste estudo, são inúmeros os possíveis danos ao meio ambiente, e não só ao oceano, mas também aos ecossistemas terrestres, para os quais se aplicaria a medida de mobilização de espécies vegetais e animais para outras áreas semelhantes a onde vivem atualmente. (Estudo de impacto ambiental)

Baleias jubarte com o lóbulo da cauda mutilado (foto superior) e cortes nas costas (foto inferior), presumivelmente de uma hélice de barco. Fotos: Brittaney Bearson e Fernando Félix/ arquivo FEMM.

Pinguim de Humboldt, em North Totoralillo Islet. (César Villarroel, 2019)

Conclusões

A Reserva Nacional dos Pinguins de Humboldt (RNPH) foi criada em 1990 com o objetivo de proteger os pinguins e outras espécies, entendendo que esta área possui importantes recursos hidrobiológicos para sua conservação. Portanto, a proteção deste local é primordial se o objetivo é conservar as espécies que dele dependem de uma forma ou de outra.

A comunidade de Los Choros e principalmente seus pescadores, fazem uso responsável desta área para extrair seus recursos de forma sustentável, é uma prática que herdaram de seus ancestrais e ajudaram enormemente na preservação desse lugar frágil que já foi tratado. intervir antes com os Barrancones Centrais.

Os Hope Spots são locais únicos, onde se pode observar uma biodiversidade única e refletir o património cultural associado à zona. O arquipélago de Humboldt possui características irrepetíveis, além de ser o sustento tanto para o povo da região quanto para as espécies que o habitam.

Facebook
Pinterest
Twitter
LinkedIn

Leave a Reply

Your email address will not be published.